William Mendonça
POESIA, PROSA, MÚSICA E TEATRO
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Meu Diário
26/10/2009 23h50
INFORME CULTURAL 26/10/2009
MUSTANG 65
Tive o prazer de assistir a um show da banda Mustang 65 (foto acima), com seu repertório de rock dos anos 60 e 70 (e até uma pitada dos 80), que traz algumas canções bem raras de encontrar nos shows por aí – como “Aqualung”, do Jethro Tull, e “Black Knight”, do Deep Purple. Foi no Dragon Jack Rock Club, em Itaipu, Niterói, no dia 24. Formado por Caio Mattos (guitarra, violões, gaita e vocal), Luciano Barbosa (guitarra e vocal), Luiz Cláudio (baixo e vocal), Ricardo Mann (teclados) e Ayrton Júnior (bateria), o Mustang 65 toca também composições próprias, numa levada de rock e blues, e tem tocado bastante no circuito de shows do Rio, Niterói e em diversos motoclubes do Estado. Outro ponto alto é o clima descontraído, como uma reunião de amigos que resolvem tocar o que gostam. No set list do show, outras pérolas como “Proud Mary”, “Sultans of swing”, “Carry on my wayward son”, “While my guitar gently weeps” e “Layla”.
Nota: na coluna que saiu no jornal não fiz menção ao convidado de luxo que a banda teve no show do Dragon Jack - o guitarrista Christian Zanzibah, que tocou todo o primeiro set de músicas. Deu pra ver que é uma alma rock`n`roll e um guitarrista que toca com técnica e sentimento. Como o jornalista aqui foi ao show para se divertir, não anotou o nome do guitarrista, a informação ficou faltando na matéria. Falha nossa!

AFROREGGAE
O AfroReggae talvez seja, ao lado do Grupo Nós no Morro, a iniciativa sócio-cultural mais bem sucedida do Rio. A cultura ali é utilizada como meio de transformação social – oferece ao jovem das comunidades carentes uma forma de se expressar e, ao mesmo tempo, o aprendizado de uma profissão. Por tudo isso, causa indignação o assassinato do coordenador de projetos do AfroReggae, Evandro João Silva, em um assalto. Mais ainda – dois policiais militares, um deles capitão, com a vítima ainda agonizando na calçadas, liberaram os marginais e ficaram com o produto do roubo, um par de tênis e uma jaqueta. Por sorte, foram flagrados por câmeras de vigilância e, esperamos, serão punidos. Como vale pouco a vida humana no Rio de Janeiro hoje em dia!

LULA NO CINEMA
Estréia no Festival de Cinema de Brasília, fora da mostra competitiva, o filme sobre a vida de Luis Inácio Lula da Silva – a mais cara produção do cinema brasileiro de todos os tempos, na casa dos 16 milhões de reais. Dirigido por Fábio Barreto – o mesmo de “O Quatrilho”, que já concorreu ao Oscar – “Lula, o Filho do Brasil” conta a trajetória do retirante, ex-torneiro mecânico e líder sindical que se tornou presidente. No entanto, mesmo com a garantia dos produtores de que o filme não levou dinheiro público, fica a sensação de que foi feito numa hora inoportuna. Seria melhor aguardar o fim do mandato de Lula para filmas, ou pelo menos para lançar, a sua biografia, pois haveria menos uso político do cinema.

DIA DO SAMBA
No dia 2 de dezembro, Itaboraí vai realizar um evento para comemorar o Dia Nacional do Samba. A Casa de Cultura Heloísa Alberto Torres vai receber uma exposição, com a memória do samba na cidade. Vão ser exibidos dois documentários e haverá a premiação a quem contribuiu para o engrandecimento do samba na cidade. No palco, que será montado em frente à Casa de Cultura, vão se apresentar a Banda Municipal, oito casais da Escola de Mestre Sala e Porta Bandeira do Estado do Rio e a sambista Ircéa Pagodinho, irmã de Zeca Pagodinho. Ela é considerada uma das grande vozes da sua geração e recebeu o Prêmio Sharp de revelação em 1988 por seu 1º disco “Feito Diadema”.

ITABORAIENSES NA UERJ
Não estou falando dos vivos – os estudantes ou até professores da Uerj que nasceram ou moram em Itaboraí. Falo dos itaboraienses ilustres do passado que, segundo fonte segura, têm lugar de destaque na Biblioteca da Uerj de São Gonçalo. Joaquim Manoel de Macedo e Alberto Torres. Do escritor de “A Moreninha”, além de sua obra literária, é possível encontrar por lá até a tese de formatura em Medicina, que tratava da cura da melancolia, com seu estilo literário inconfundível. Já Alberto Torres é o assunto de vários livros – biografias, teses, resenhas sobre sua obra, alguns classificados como obras apenas para consulta no local, por sua raridade.

INSTANTÂNEOS
Estou participando da produção do livro “Instantâneos do passado”, que a Casa de Cultura Heloísa Alberto Torres está realizando. Será, realmente, um trabalho de alta qualidade. Primeiro, pelo acervo fotográfico produzido por Marlus Suhet, Ronaldo Soares e Márcio Soares em 1992, mostrando o estado do patrimônio histórico e artístico da cidade à época. Segundo, pelo trabalho caprichado da designer Fernanda Villa-Lobos, e pela produção de Sérgio Espírito Santo. Terceiro, pelas histórias super-interessantes sobre depoimentos dos três fotógrafos. Deve ser lançado em 10 de novembro, nas comemorações da semana da cultura.

COMCULTURA
É importante para Itaboraí sediar a II Conferência Intermunicipal de Cultura, neste mês, com a presença de gestores culturais de algumas das principais cidades do Rio. O evento, no dia 26 no Teatro Municipal João Caetano, prova mais uma vez que Itaboraí entrou no mapa cultural do Rio – e precisa aproveitar o bom momento. Preservar o patrimônio, apoiar a chamada cultura imaterial, as manifestações folclóricas, e, claro, fazer um verdadeiro trabalho de formação de artistas, aproveitando os talentos da cidade – da música à arte circense, das artes plásticas ao teatro. É um ponto que a administração municipal e até mesmo os deputados ligados à cidade devem prestar atenção, sob pena de perderem o bonde da História – que só passa uma vez.

EU E A LOCADORA
Quem já acompanha esta coluna sabe que os filmes sempre estão presentes por aqui. Se não posso dizer que sou um cinéfilo (até porque Tanguá e Itaboraí não têm cinemas), sou certamente um dvdófilo – um rato de locadora. . Pois, naquela base de unir o útil ao agradável, devo inaugurar em novembro, ao lado da minha família, nossa locadora de vídeo, que será também lan-house e lanchonete. Vai ficar na Rua das Acácias, no bairro de Duques, e tem pretensões de se transformar num centro cultural. São sonhos que viram realidade e, por isso, ficam ainda melhores.

(Coluna publicada no jornal REAÇÃO, de Itaboraí-RJ, edição da 2ª quinzena de outubro de 2009)
 

Publicado por William Mendonça em 26/10/2009 às 23h50
 
28/09/2009 08h50
CASA EM OBRAS

Casa velha é sempre um problema. Não que a minha seja das mais antigas, tem só vinte e poucos anos, mas já estava pedindo grandes e urgentes reformas. Resultado: em meados de setembro começamos a refazer a parte elétrica e descobrimos que muito pouco podia ser aproveitado - as formigas fizeram um ótimo trabalho em acabar com a fiação.
Foi uma semana de quebradeira em casa, que me deixou sem luz, sem telefone e sem condições operacionais. Praticamente nos mudamos para a casa da sogra. Para piorar, tivemos que refazer o telhado e, pra variar, veio mais quebradeira. Depois do telhado pronto, o que deve acontecer só em uma semana, vamos fazer aqui duas lojas, ou seja, mais obra.
Portanto, até lá vou ter que improvisar para manter contato com os leitores através do site. Já acessei em lan house, coisa que nunca tinha feito na vida (é verdade!) e vamos em frente. O site completou seus três anos de vida no meio dessa bagunça o que, infelizmente, não me permitiu comemorar apropriadamente. Mas não vai faltar oportunidade.
Um grande abraço a todos!


Publicado por William Mendonça em 28/09/2009 às 08h50
 
15/09/2009 18h00
PEÇAS NA SBAT

Depois de quase três anos disponíveis para download gratuito aqui no site, as minhas peças O ENCOSTO e O CANGACEIRO NA INTERNET foram retiradas do ar. Sigo a orientação da Sociedade Brasileira de Autores Teatrais (SBAT), que me representa em questões de direito autoral. A partir da próxima semana, vou manter no site uma sinopse de todas as minhas (12 ao todo), sempre com um trecho do texto no ar, para dar aquele "gostinho" de quero mais. Aos poucos, estou procurando a profissionalização nas áreas artísticas pois, depois dos 40 de idade, resolvi investir tempo e recursos também na carreira artística. Os e-books para download em pdf, ademais, não foram lá um dos pontos altos deste site - a procura sempre foi muito baixa, na média de 25 downloads por peça. Portanto, quem quiser conhecer um pouco mais do teatro deste que vos fala, vai precisar entrar em contato por e-mail ou ir direto à SBAT.
Um grande abraço a todos!
 


Publicado por William Mendonça em 15/09/2009 às 18h00
 
10/09/2009 12h59
ALGUMAS PALAVRAS
A VOLTA
O relançamento do jornal O VERBO, que teve circulação em breve período no ano de 2003, é o resultado direto de algumas mudanças em minha vida profissional. Com o fim da exigência do diploma para o exercício do jornalismo, nada mais me impede, tecnicamente, de exercer plenamente a profissão que abracei em 1988. Ao mesmo tempo, estou saindo do Banco do Brasil, onde trabalhei por mais de cinco anos. A coluna ALGUMAS PALAVRAS vai abordar política, economia e comportamento. Esta é a edição de teste, já que o jornal voltará a circular em 23 de setembro.

DESPEJADO
Pois é, a imprensa anda meio em baixa. O Museu da Imprensa, que funcionava nas instalações da Imprensa Oficial em Niterói foi despejado nesta semana. Motivo: fim do contrato de comodato que permitia seu funcionamento no local. O jornalista Jordan Amora, responsável pelo acervo, agora terá que encontrar outro local para apresentar à população um pouco da história dessa atividade.
 
VEREADORES
O PSOL vai votar contra a PEC dos Vereadores (proposta de emenda constitucional que amplia em quase 8 mil o número de vereadores no país). Segundo o deputado Chico Alencar, um dos líderes do partido, o importante não é aumentar a quantidade, mas sim a qualidade, dos vereadores. No entanto, ele mesmo acredita que a PEC será aprovada, porque a pressão dos suplentes está "sensibilizando" a maioria dos deputados. (Em tempo: a PEC foi aprovada em primeira votação na Câmara no dia 9 de setembro).
 
FORA SARNEY
O movimento Fora Sarney continua a todo vapor. Fez manifestações durante o Desfile Cívico de 7 de setembro em Brasília e também durante o jantar entre o governador Sérgio Cabral Filho e a bancada de deputados e senadores do Rio, no mesmo dia. O alvo das críticas e palavras de ordem durante o jantar era o senador (segundo suplente) Paulo Duque, do Conselho de Ética do Senado, que arquivou denúncias contra Sarney.
 
FUTURO
O aquecimento global, com certeza, levará o mundo a modificar sua matriz energética nos próximos dez ou vinte anos. Deixará de ser baseada em petróleo e carvão e passará a energias menos poluentes - solar, eólica, etc. Portanto, é bom o Brasil, e o presidente Lula, botarem as barbas de molho, pois quando o petróleo do pré-sal estiver disponível para venda, a demanda por petróleo talvez seja bem mais baixa do que hoje.
 
ROYALTIES
Para quem é contra que o Rio de Janeiro e outros estados produtores recebam a maior fatia dos royalties do pré-sal, aqui vai mais um exemplo da estupidez dessa tese: no dia 4, um vazamento de óleo de uma plataforma da Petrobrás na Baía de Guanabara deixou uma mancha de aproximadamente 150 metros de extensão e chegou às praias de Niterói. Será justo o Rio sofrer com acidentes desse tipo e não receber uma compensação?
 
POUPANÇA
Em meio à crise financeira internacional, que ainda está longe de acabar, a desprezada poupança ganhou ares de grande investimento no Brasil. Pelo quarto mês consecutivo, os depósitos superaram os saques e o saldo em agosto chegou a R$ 3 bilhões. O resultado em agosto foi o segundo melhor do ano. De janeiro a agosto, os depósitos na poupança já superam os saques em mais de R$ 12 bilhões.
 
PROFESSORES
Os professores da rede estadual de ensino entraram em greve no dia 8, em alerta contra a votação do projeto de lei que incorpora a gratificação do programa Nova Escola aos salários da categoria, em sete parcelas, no extenso prazo de seis anos. A categoria quer um efetivo plano de cargos e salários e a incorporação imediata, ou em prazo mais curto, da gratificação, que foi criada no governo de Anthony Garotinho. Já houve confronto com a polícia e mais manifestações estão previstas para os próximos dias.
 
ALVARÁ
A Prefeitura de Rio lançou uma idéia que deveria ser adotada o mais rápido possível por todas as cidades: criou o portal na internet Alvará Já, que permite a formalização de empresas que atuam na clandestinidade. Desde que não envolva questões ligadas à vigilância sanitárias, como bares e restaurantes, qualquer empresa pode tirar seu alvará on line, sem burocracia e em curto prazo.
 
MOQUECA
O presidente Lula tentou oferecer um churrasco para o presidente francês, Nicolas Sarkozy, durante sua visita ao Brasil. Disse que estava devendo a gentileza há mais de um ano, só que o vidro temperado da churrasqueira estourou e encheu a carne de cacos. Resultado: o chefe do governo francês acabou caindo de boca numa moqueca capixaba com feijão tropeiro e, segundo Lula, aprovou o cardápio.
 
EXÉRCITO
O Exército usou um grande aparato militar para uma missão bem diferente: participar das gravações do programa da apresentadora Eliane, no SBT. No programa, uma equipe de oficiais do Exército, com vários carros militares e até helicópteros, participaram de uma missão fictícia para entregar à apresentadora, pasmem, um microfone branco. O SBT garante que pagou todas as despesas. Será?
 
(Coluna do jornal O VERBO, edição de teste, 1ª quinzena de setembro de 2009)

Publicado por William Mendonça em 10/09/2009 às 12h59
 
08/09/2009 23h59
INFORME CULTURAL 08/09/2009
NORA ROBERTS

Ela é um fenômeno de vendas na literatura americana, que tem duas grandes qualidades para os exigentes editores dos Estados Unidos: atinge em cheio o público feminino e escreve muito (foram quase duzentos livros na carreira, iniciada nos anos 80, até agora). Eleanor Marie Robertson, mais conhecida como Nora Roberts (foto), é a autora de maior destaque da lista de best sellers no New York Times e a primeira a ser escolhida para a Galeria da Fama dos Escritores Românticos dos Estados Unidos. Pode ser encontrada aqui no Brasil em traduções nos livros da Harlequin (os “livros de bolsa”, a preços populares, vendidos em bancas de jornal) e da Bertrand Brasil. Suas sagas familiares, como “O legado dos Donovan” e a “Trilogia da fraternidade”, são compostas de vários volumes, não estão longe das novelas brasileiras – histórias que misturam drama, romance, suspense e humor, numa ambientação bem construída. Seus livros foram traduzidos para 25 países e venderam mais de 2 milhões de exemplares. Vale a dica, pois quem lê, aprova. 

 

PATROCÍNIO OU

LATROCÍNIO?

Enquanto são engavetados por ano centenas ou até milhares de bons projetos culturais – filmes, peças de teatro, discos, livros e eventos artísticos – por falta de apoio, o Ministério da Cultura resolveu “patrocinar” uma estranha, obscura e até questionável passeata contra o aborto, que de cultural não tem nada. O dinheiro, para piorar, não saiu de alguma lei de incentivo à cultura mas do orçamento próprio do Ministério. Fora o fato de que passeatas não são, efetivamente, manifestações culturais e que o aborto é mais um tema de moral e saúde pública, passando longe da temática cultural, fica a pergunta: que dinheiro é necessário para se organizar uma passeata? Em que ele é utilizado (quem sabe, na compra de resistentes calçados italianos com couro australiano para todos os participantes)? A palavra certa talvez fosse “latrocínio” – roubo seguido de morte – pois a ética foi assassinada sem o menor dó. Se a moda pega.  

 

TÚMULO 

DE MACEDO

O sempre atento jornalista Chico Carlos, diretor do jornal TANGUÁ NOTÍCIAS, na edição de agosto, fez um alerta muito interessante sobre o abandono em que se encontra o túmulo do escritor Joaquim Manoel de Macedo, o maior nome itaboraiense nas letras brasileiras. Romancista, teatrólogo, poeta, um dos ícones do Romantismo, Joaquim Manoel de Macedo era uma verdadeira celebridade em seu tempo. Escreveu romances de grande sucesso, como “A Moreninha”, já adaptado para a TV e o cinema, e “O Moço Loiro”, foi médico, professor (inclusive da Família Real brasileira), um intelectual aclamado em seu tempo e lembrado até hoje por seu legado cultural. Mas nem tudo isso impede que seu túmulo, no Cemitério Municipal São João Batista, em Itaboraí, esteja mal conservado e mal sinalizado. As principais cidades do mundo reverenciam a memória de seus grandes nomes mas, no Brasil, isso está longe de ser uma realidade. Ficamos devendo homenagens, em Itaboraí, não só a Macedo, mas também a João Caetano, o primeiro grande ator brasileiro, a Alberto Torres, político, escritor e intelectual também aclamado nacionalmente, e muitos outros. Fica aí o toque.

 

POR FALAR EM

MEMÓRIA

Falando em memória, de fato é preciso registrar que o trabalho do setor de Patrimônio Histórico de Itaboraí está mostrando bons resultados e conseguindo recursos para Itaboraí. O gestor da cultura na cidade, Sérgio Espírito Santo, conseguiu junto aos Ministérios da Cultura e do Meio Ambiente e no Congresso Nacional a inclusão de recursos para Itaboraí, que garantirão obras de restauração e preservação do patrimônio histórico e arquitetônico local: a Casa de Cultura Heloísa Alberto Torres receberá obras de reforma e paisagismo, a Igreja de São João Batista também será restaurada, e a própria Praça Marechal Floriano Peixoto será transformada naquilo que deve mesmo ser, um centro histórico preservado, sem tráfego de veículos, com paisagismo renovado, cabeamento subterrâneo, transferindo a quadra e os quiosques para locais próximos. Além disso, Sérgio Espírito Santo ralou para conseguir a inclusão de Itaboraí no importante programa Monumenta, do Governo Federal. São apenas 95 cidades em todo o país e o Monumenta realiza ações de reabilitação das áreas históricas, como já fez, por exemplo, no casario do Centro de Salvador (BA), além de disponibilizar através do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) uma linha de financiamento para a recuperação de imóveis privados que fiquem nessas áreas históricas. Trabalho sério sempre mostra resultados.

 

DISNEY + 

MARVEL

Caiu como uma bomba nos meios editorial e cinematográfico a notícia de que a Disney adquiriu todo o portfólio de heróis da Marvel Comics, uma das maiores empresas do setor de quadrinhos dos Estados Unidos. As cifras são de gente grande: estima-se que o negócio seja em torno de 4 bilhões de dólares. A Marvel é responsável por mais de cinco mil super-heróis e vilões e é a mais popular empresa do setor. Entre suas criações, muitas delas assinadas pelo mestre Stan Lee, estão o Homem-aranha, o Quarteto Fantástico, o Homem de Ferro, o Demolidor, os X-Men, só para falar dos “arrasa-quarteirão”, campeões de vendagem. Como todos esses já são sucesso no cinema e a Marvel tem contratos de sessão de direitos com vários grandes estúdios, a Disney ainda terá que esperar o fim dos contratos em vigor para, efetivamente, botar a mão em todo o tesouro. Mas, desde já, poderá explorar vários personagens que ainda não foram utilizados de forma satisfatória no cinema e na TV e entrar no bolo dos lucros das atuais franquias cinematográficas.  Quem não gostou nada disso foi a DC Comics, principal concorrente da Marvel.

 

EDSON SARAIVA

Uma figura de Itaboraí que merece registro e aplausos por seu trabalho nas áreas de cultura e comunicação é, sem dúvida, Edson Saraiva, que em sua longa carreira de locutor e promotor de eventos mostra que é possível manter vivas tradições, como os eventos de debutantes, concursos de beleza e de miss e grandes bailes com boa música. Basta, para isso, a dedicação de quem tem isso no DNA, qualidade e competência, como é o caso de Saraiva. Diretor da Rádio Cultura de Itaboraí (91,5 FM) – que também opta por oferecer uma programação variada e de qualidade, Edson Saraiva está há algum tempo circulando com o jornal CULTURA EM FOCO, que, por si só, já merece elogios, já que é o único jornal voltado para cultura e eventos em Itaboraí e mostrou-se uma idéia bem sucedida. Vale lembrar que o CULTURA EM FOCO é hoje o único jornal da região que publica poesia em suas páginas, já que A VOZ DE MARAMBAIA, do poeta e professor Osvaldo Luiz, e o SALA DE ESPERA, do saudoso Alfredo Chlmtac, não circulam mais. A gente que gosta de cultura agradece ao Saraiva por sua perseverança.

 

(Coluna publicada no jornal REAÇÃO, edição da 1ª quinzena de setembro de 2009)  

Publicado por William Mendonça em 08/09/2009 às 23h59



Página 10 de 19 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]